Duda Mendonça, muito barulho e dinheiro por nada

01/10/2014 - 21:35

skaf-duda-robson-fernandjes-bocao-news

Uma das informações mais comentadas no início da campanha eleitoral no Piauí foi a de que Duda Mendonça seria a cabeça por trás da propaganda eleitoral do governador Zé Filho (PMDB). Foi barulho, foi muito barulho, mas quem acompanhou os programas eleitorais das duas coligações viu que, na verdade, fez-se muito barulho por nada. E a cereja do bolo veio, hoje, com os programas finais dos dois candidatos que polarizam a disputa.

Não precisa ser um gênio da publicidade, não precisa nem ser Duda Mendonça, para ver que a equipe do publicitário Siqueira Campos (responsável pela campanha de W. Dias do PT) deu um banho, captou a necessidade de reinventar o seu candidato e conseguiu, alcançou uma sintonia forte com o discurso do petista que agiu a campanha inteira como se nunca tivesse sido governador, como se nunca tivesse tido a chance e fazer o que estava e continua prometendo.

Mesmo à frente nas pesquisas eleitorais, o programa levado ao ar pela coligação de Wellington Dias deixou uma mensagem de esperança e mais uma vez colocou em imagens e texto a fazer da a impressão de que Wellington é um “novo sopro”. Tudo o que não é, uma vez que  já foi governador duas vezes, deputado federal, deputado estadual, vereador de Teresina….é senador eleito para mais quatro anos. Mas, publicidade é isso, é dourar a pílula; e Wellington Dias sai do primeiro turno devidamente dourado pela propaganda eleitoral como o “governador do povo que o povo quer de novo”.

 Seu final concluiu a campanha com a mesma ideia que a iniciou, a de que o Piauí é daqui pra frente. Abusou dos sorrisos, da mensagem de esperança, da luz do sol piauiense, com estética na medida, não trouxe pessoas de feições belas, mas caras comuns, que são facilmente encontradas nas ruas de qualquer cidade do Piauí.

Parabéns para a S/A Propaganda.

Programa de Zé Filho não empolgou

Já do outro lado, o governador Zé Filho não teve a mesma sorte com seu programa. Pagou caro por algo que não levou. Mesmo sendo o novo nome da disputa, o nome que poderia ser apresentado como a novidade, como a chance de mudança, portanto com a mensagem de esperança, o programa veio novamente engessado, carregado de legendas e cartelas no melhor estilo “Telecurso Segundo Grau”. Desde o primeiro programa, foram formatos enlatados de texto e imagem que não conseguiram captar a simplicidade com que Zé Filho se apresenta a todos em seu dia a dia (quem o conhece sabe disso). Falhou desde o começo em não apresentar no primeiro programa, um candidato que era claramente desconhecido de toda da população.

 A equipe de Duda Mendonça também cuida da propaganda eleitoral do candidato do PMDB em São Paulo, Paulo Skaf, mas nem de longe o que foi feito por Zé Filho no Piauí lembra o que está sendo feito por Skaf, bem como em outros estados como Tocantins.

Falhou em não atrelar a imagem de Zé Filho a sua história familiar, nem de seu pai e nem sua mãe, errou em não enfatizar e colar ao candidato uma imagem empreendedora que seu trabalho junto a Fiepi (Federação das Industrias do Piauí) poderia lhe trazer. O último programa eleitoral de Zé Filho contou sobre os seus seis meses de Governo, algo que deveria ter sido feito ao longo da campanha.

A  mensagem de empolgação e esperança por um segundo turno, deixada por Zé Filho, não foi para as ruas, não encontrou o povo. Foi gravada dentro de um estúdio, frio e sem o apelo emocional que merecia ter. Some-se a isso a repetição de imagens e  mensagem, como a que foi gravada por Wilson Martins, Silvio e Firmino Filho.

Certamente que, se Zé Filho passar para o segundo turno, a qualidade do material feito pela equipe de Duda Mendonça pouco terá a ver com a proeza.

Advogado diz que padre fez apologia ao crime

01/10/2014 - 16:11

advogado carlos yuriAlguns veículos repercutiram hoje informação divulgada ontem pelo blog   (leia aqui). Fiz referência ao sermão que o padre vigário geral da Arquidiocese de Teresina, Tony Batista, fez em seu quadro na TV Cidade Verde. O advogado eleitoralista Carlos Yury, criticou a recomendação do padre e lembra que compra de votos é crime previsto no art. 299 do Código Eleitoral. “A Justiça pune as duas vias da corrupção: quem compra e quem vende votos”, alerta o advogado.

O advogado afirma que no afã de punir os candidatos que querem comprar votos muitos orientam a receber o dinheiro e não votar, mas para ele, um erro não justifica o outro e a orientação seria uma apologia ao crime.

A Pesquisa Amostragem não trouxe

01/10/2014 - 14:23

pesquisa amostragem estimulada para governador

A curiosidade neste final de campanha é saber o que diz a última pesquisa Amostragem em relação aos votos espontâneos sobre os espontaneamente indecisos. O Instituto trouxe os dados sobre as intenções de voto na pesquisa estimulada, aquela em que é apresentado ao eleitor os nomes dos concorrentes.

Nesse quadro sim, o percentual de indecisos é muito pequeno, apenas 7,56%. Mas resta a dúvida em relação aos que estão realmente indecisos, mostrados num quadro espontâneo. Estes nas pesquisas anteriores se mantinham em mais de 20% . Será que algo mudou?

 

A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Piauí, Protocolo Nº PI 00196/2014.

 

Coluna do dia – Marina: de furacão a chuva de verão

01/10/2014 - 13:22

pesquisa ibope elisabeth sa

A pesquisa  Ibope divulgada ontem revela distanciamento da presidenta Dilma Rousseff (PT) e consistência no crescimento de Aécio Neves (PSDB) ameaçando a ida de Marina Silva (PSB)para o segundo turno.  Segundo a pesquisa,  Dilma abriu quinze pontos de vantagem em Marina, Aécio cresceu dois pontos. Marina foi a única que caiu, dois pontos.

A questão é que há exatamente um mês Marina Silva estava empatada com Dilma Rousseff. E Aécio que tinha 15% há um mês, cresceu cinco pontos realimentando as esperanças tucanas de chegar ao segundo turno.  Marina, como o blog havia previsto, de furacão está se transformando em chuva de verão; ou seja, aumenta o calor e a pressão, as nuvens resistem e não deixam o ar quente subir, mas chega uma hora que a nuvem não aguenta se rompe e o ar quente sobe encontrando o ar frio, chove e tudo volta ao normal.

Marina, ao que parece, tende a ser essa chuva. Duas razões são cruciais para isso, ela não deve chegar ao segundo turno com o fôlego que o partido esperava e principalmente porque o eleitorado não estará mais sob o efeito do luto e da emoção pela morte trágica de Eduardo Campos. Será preciso um fato grandioso e novo para que a pessebista recupere o impulso.

O efeito Marina para Wilson

Com  a queda de Marina Silva, o efeito de colar sua imagem a presidenciável não vai funcionar para o ex-governador Wilson Martins. Além do distanciamento na identidade política dos dois, associar-se à Marina quando ela cai, e justamente no momento em que Elmano  Férrer cresce, não renderá a Wilson.

O efeito Aécio para Zé Filho

Se bem aproveitado, o ânimo pelo crescimento de Aécio Neves  pode ainda render algo ao governador Zé Filho. Isto porque se Aécio tenta tirar Marina do segundo turno no plano nacional.

No Piauí, pelas contas dos governistas, falta muito pouco para levar a disputa para o segundo turno.

Debates que nada acrescentam

Entre o debate da Cidade Verde, semana passada, e o da Tv Clube, na noite desta terça, nada de novo.  Os mesmos temas no que diz respeito a críticas e propostas foram tratados. Zé Filho por exemplo voltou ao assunto barragem de Algodões e o senador Wellington Dias não sai de sua resposta, a mesma que vem dando desde o início da campanha. Então no debate de hoje, a ser realizado pela TV Meio Norte, alguma grande novidade tem que aparecer.

A menos que alguém, algum candidato apresente algum trunfo – como fez Wellington Dias com Hugo Napoleão, em 2002, – vamos ouvir as mesmas acusações, as mesmas negativas, enfim.

Defesa

Por outro lado, ontem durante o debate da TV Clube, no momento em que veio à tona o assunto que vem sendo usado pela oposição, as licitações do Governo suspensas pelo TCE, o governador Zé Filho soube se defender. Wellington Dias alvo natural dos adversários pela liderança nas pesquisas ficou na defensiva.O petista manteve seu discurso de vitimização  e de novidade, como se nunca tivesse sido governador.

Sem refugo

A cinco dias das eleições, prefeitos de oposição que aderiram ao Zé Filho (PMDB), as bases em diversos municípios correram para o colo de Zé Filho, que não está rejeitando. Prefeitos do PP, PTB e do PT estão fazendo reuniões, comícios, carreatas e a entrega de material de campanha aos eleitores que ainda estão indecisos.

 

 

 

A verdadeira questão em Picos

30/09/2014 - 17:16

10 - IMG_3937

O terceiro maior colégio eleitoral do Estado com quase 50 mil eleitores, uma prefeitura do PMDB com um dos decanos no partido a sua frente e o apoio de 11 dos 15 vereadores. Estamos falando da grande Picos que, além do prefeito Kleber Eulálio, tem outras lideranças importantes do PMDB, como o deputado Warton Santos. E é essa a realidade que deve ser levada em consideração para o resultado das urnas no próximo domingo, 5.

Com este cenário, mais interessante do que racha interno e a troca de farpas entre o prefeito Kleber Eulálio e Avelino Neiva do PSB é buscar que o resultado das urnas demonstre esta força, pois para o partido do governador será vergonhoso e um grande prejuízo político perder a eleição em Picos. E pior: perder com uma diferença muito grande como se especula.

Não por menos, o governador Zé Filho esteve na cidade recentemente e o prefeito Kleber Eulálio realizou uma grande mobilização na cidade de Picos nesta reta final de campanha. E o candidato a reeleição saiu de lá mais otimista, tão confiante que se arriscou a dizer que terá mais votos do que Wilson Martins, quando este candidato ao Governo em 2010.

A movimentação de Kleber Eulálio nas últimas horas já era esperada, inclusive pelos seus adversários, foi intensa e parece que convenceu até mesmo aos descontentes.

Aguardemos, pois, o que dirá as urnas.

O sinal do calote

30/09/2014 - 12:53

padre-tony-sinal-de-deus - elisabeth sá

Atenção senhores políticos! Não é só com a Polícia Federal e a Justiça Eleitoral que aqueles que estão pensando em comprar votos devem ter cuidado. É bom ter cuidado também com os eleitores bem aconselhados, pois o risco de comprar e não levar fica ainda maior quando um Monsenhor dá conselhos nada republicanos aos seus paroquianos.Ainda mais se a ideia vem de um dos homens mais respeitados do Piauí, no caso o monsenhor Tony Batista.

Antes do conselho, Padre Tony também alertou sobre a importância de participar do pleito e de não se abster, pois o eleitor que não vota, vota nulo ou em branco, acaba contribuindo para que maus gestores sejam eleitos,até aí tudo bem.  E o sermão estava muito bom. Só que depois ele foi mais longe, bem longe.

Tony Batista  deu o recado e ensinou o eleitor a dar o troco nos políticos compradores de voto, ensinou o calote na TV ao vivo e a cores; aconselhou  “se um político quiser comprar o seu voto, pode receber e vote em outro”. Assista o  vídeo dos conselhos do padre sobre o voto consciente.

Então é bom que na hora de realizar o delito da compra do voto ( pelo menos aqui em Teresina) o político pergunte se o eleitor que está sendo corrompido é cristão e é da paróquia do Padre Tony, caso contrário corre o risco pegar um grande calote.