Coluna do dia – A derrota de Wilson Martins

07/10/2014 - 09:40

 

A derrota de Wilson Martins blog elisabeth sá

 

A derrota de Wilson Martins

Confirmada a vitória de Elmano Férrer, o azarão da corrida pela única vaga ao Senado, contra o ex-governador Wilson Martins vale o registro de que as análises feitas pelo blog em torno da disputa foram confirmadas em sua totalidade.

Mas o que deu errado para Wilson Martins? Tudo! É a resposta. A começar que ele saiu caindo pelas tabelas do topo em que estava, quando ainda possuía o dobro da intenção de votos em cima do adversário, e cometeu um erro atrás do outro até que na reta final da campanha eleitoral já aparecia perdendo para Elmano Férrer e partiu para o tudo ou nada. Foi seu último grande erro.

Nos últimos dias, é como se a população quisesse se vingar de Wilson Martins, dar o troco por algo, mostrar que ele também pode perder eleição. É que em seus discursos, e no início da campanha, o ex-governador se vangloriava de que em toda a sua trajetória nunca havia perdido uma eleição se quer.

A mobilização das pessoas, dos eleitores, sobretudo, não era para dar a vitória a Elmano Férrer. Mas, sim, para garantir a derrota de Wilson Martins e fazer dele o primeiro ex-governador derrotado numa disputa para o Senado.

Entre os erros de estratégia, foi citado o primeiro:  Wilson tinha um irmão (Rubens Martins ) e um sobrinho (Rodrigo Martins) que concorriam diretamente com seus principais eleitores que eram justamente os demais candidatos a deputado estadual e federal da coligação.

O segundo erro de Wilson Martins ficou evidenciado no decorrer da campanha, quando ele  subestimou o adversário e fez jogo duro com as lideranças que, em troca, fizeram corpo mole em torno da sua eleição. Muitos do interior não foram atendidos, pegaram muito chá de cadeira na sala de espera do seu comitê.

O terceiro erro foi que Wilson Martins ignorou os ataques que recebia e nunca se dispôs a falar sobre as acusações e críticas que lhe eram feitas, por exemplo, sobre a construção de um Hospital particular, a aprovação dos filhos para concurso, a escolha da conselheira Lílian Martins para o TCE, a promoção da irmã no Detran. Todas estas histórias estavam na boca do povo e com um sentimento de muita revolta em torno dos supostos benefícios aos familiares do ex-governador.

Por fim, a aposta errada, erradíssima, em Marina Silva. Tinha uma ótima desculpa por ser Marina a representante do seu partido. Mas, sabendo ele que no Piauí o ex-presidente Lula e a presidenta Dilma tem a estrondosa preferência dos eleitores, tendo sido ele, Wilson, já beneficiado pelo apoio dos dois nomes do PT, foi mesmo que dar um tiro no pé.

Wilson Martins mudou de lado e perdeu a aposta.

 

PSB não votou em Wilson

Chega um destes afobados, ontem,  no Palácio de Karnak, querendo justificar o que não precisa diante dos números apurados na eleição de domigo.

O amigo – Governador, o PSB e os prefeitos dopartido não votaram no senhor no interior.

Zé Filho – Não votaram em mim, nem no Wilson, né ?

O amigo – Cri…cri…cri…cri

 

A aposentadoria de Mão Santa

Será que Mão Santa entendeu o recado? Depois de ser consagrado governador do Estado, vencendo como ele dizia as oligarquias, depois se elegendo senador, e com um capital político que ainda chegou a ser expressivo nas eleições de 2010, talvez seja o protagonista do maior fiasco político eleitoral das eleições de 2014.

Impossível imaginar que o ex-governador mais popular da história recente não tenha alcançado 30 mil votos e nem chegado a 2% dos votos.

 

Primeiro ato de Wellington

Já como governador eleito, Wellington Dias anunciou duas daquelas que deverão ser as primeiras medidas a serem adotadas à frente, pela terceira vez, do Palácio de Karnak.

Vai decretar estado de calamidade e urgência nas áreas da segurança e saúde. A primeira, segundo ele, para acabar com a bandidagem instalada e a segunda para dar uma alívio para quem sofre com o péssimo serviço oferecido no Estado.

 

Wellington encontra Dilma

Passada a festa, hora de começar a pensar em estratégias nos estados para garantir a vitória no segundo turno. Pensando nisso, a presidenta Dilma Rousseff recebe, hoje, em Brasília, os governadores e senadores eleitos já no primeiro turno.

O senador Wellington Dias, governador eleito, seguiu para a capital com a vice Margarete Coelho e o senador eleito Elmano Férrer.

 

Flávio Dino festeja em Caxias

O governador eleito do Maranhão, Flávio Dino, fez uma grande festa popular, em Caxias, para comemorar a vitória. E nada menos que Aviões do Forró foi a atração musical para embalar a vitória em cima da família Sarney.

Dino escolheu Caxias por ter sido lá, pelo deputado Humberto Coutinho, o seu lançamento na carreira política.

 

Câmara Municipal de Teresina terá dois novos vereadores

Dois vereadores da capital foram eleitos domingo passado. O presidente da Câmara, Rodrigo Martins, que foi eleito deputado federal e deverá renunciar ao mandato.

O segundo foi a grande surpresa para o blog. Com uma campanha silenciosa, o vereador Dr. Pessoa garantiu uma vaga na Assembleia Legislativa com mais de 25 mil votos na capital.

O primeiro será substituído pelo estreante Caio Bucar, do PTB, e o segundo pelo ex-vereador Sebim, do PSDB.

 

O efeito marido na votação das esposas

06/10/2014 - 15:57

rejane wellington dias

Se levarmos em consideração a votação do senador Wellington Dias para (PT) o Governo e as expectativas de voto dos nomes a ele atrelados, além de Elmano Férrer (PTB) Wellington elevou também a votação da esposa, deputada estadual Rejane Dias (PT), agora deputada federal eleita.

Rejane como um nome na lista dos dez deputados federais do Piauí eleitos era dada como certa, mas nunca em nenhuma projeção ela aparecia com a perspectiva de ser a deputada com maior número de votos, ela obteve 134.157 votos.

posse_ze_filo juliana moraes souzaO mesmo não ocorreu com a primeira dama do Estado, deputada estadual reeleita Juliana Moraes Souza (PMDB). A expectativa era de que sua votação fosse estrondosa, entre outras razões por estar diretamente colada a principal candidatura majoritária do seu partido, o marido governador concorrendo a reeleição. Mas Juliana, que se esperava ser a deputada estadual com maior número de votos, ficou em quinto lugar com 43.579 votos.

Elmano venceu atrelado a Wellington como foi com JVC e Wilson

06/10/2014 - 11:08

Elmano Ferrer blog elisabeth sa

O resultado da eleição para o Senado no Piauí já era esperado em agosto, foi o que afirmou o senador e governador eleito, Wellington Dias em entrevista concedida hoje (06).

Segundo W.Dias o avanço de Elmano no mês de setembro era previsto e a perspectiva sempre foi de que o ‘véin trabalhador’ chegasse ao final da eleição com a quantidade de votos parecida com a do petista.  Wellington Dias terminou a eleição com 63% dos votos válidos e Emano com 62%.

“Foi a força, a vontade do povo, dos líderes que foram empurrados. Muitos diziam se eu apoiar outro candidato aqui eu vou me desmoralizar. Viajamos muito junto, e o Elmano tem mesmo o coração puro, ali não é nada de marketing, acredito que vamos ter um grande senador, fizemos uma grande campanha, mas uma campanha simples, humilde. Pegávamos um avião e saímos depois em vária cidades porque assim é mais barato e eu dizia para ele ‘quando chegar em setembro você terá 30% e aí você embala e ele não acreditava. Você vai ter uma votação semelhante ao que eu tiver’, ele não acreditava. Veja a eleição de João Vicente, veja como feito com o Wilson Martins”, afirmou Wellington.

Eleição já registra 55 candidatos presos

05/10/2014 - 17:17

dias toffoli

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aponta que 55 candidatos foram presos neste domingo por crimes eleitorais, 22 casos de boca de urna. O Rio de Janeiro é o Estado que lidera o número de detenções de candidatos, com 16 presos.  As demais unidades da federação que registraram prisão de candidatos são: Acre (2), Alagoas (1), Amazonas (1), Bahia (6), Ceará (4), Distrito Federal (1), Espírito Santo (3), Goiás (2), Mato Grosso (1), Pará (8), Piauí (1), Paraná (5), Rio Grande do Norte (2), Rondônia (2).

O presidente do TSE, José Antonio Dias Toffoli, considerou os números normais. O certo é que todos os candidatos envolvidos nas apreensões e prisões terão problemas com a Justiça Eleitoral, os eleitos terão mais ainda porque com certeza o Ministério Público Eleitoral não dará trégua e os mandatos terão que ser defendidos, talvez até o seu fim, isso dependerá da velocidade da Justiça.

Tribunal Regional Eleitoral tem que se organizar

05/10/2014 - 13:46

 

image

 

A eleição de 2014 está sendo marcada pelo avanço em alguns locais de votação com o uso do moderno sistema biométrico para identificação dos eleitores. Em fase de teste, a blogueira que já exerceu sua cidadania atesta a sua eficiência. Mas, como tudo que está começando, precisa de aperfeiçoamento.

O que se viu também em vários locais de votação foram filas enormes, absurdas e que só desestimulam os eleitores. Além da novidade apresentada, os velhos problemas conhecidos (demora na votação, idosos que não sabem votar…), falta um redirecionamento do número de eleitores por seção.

De acordo com um mesário, que presta serviço voluntário ao Tribunal, a lógica do Poder é colocar um número máximo de eleitores numa seção para, somente depois, abrir uma nova seção em determinado local de votação.

Isso é um absurdo. Entendam: A seção “A” tem 300 eleitores ( o número máximo) e a seção do lado (100 eleitores), quando o mais interessante seria dividir os locais de votação para evitar filas enormes, aborrecimentos e, principalmente, o alto número de abstenções.

 

Quem quer dinheiro?

04/10/2014 - 22:55

image

 

Mais uma apreensão de alta quantia de dinheiro, em espécie, envolvendo políticos que estão empenhados em eleger o senador Wellington Dias e demais integrantes da coligação “A Vitória com a Força do Povo”.
É a terceira nesta reta final da campanha e que pegou em flagrante a primeira-dama de Pau D’Arco, Maria Assunção, com R$ 32 mil em dinheiro vivo. Vivinho da Silva!

Pelo cenário encontrado pela polícia, registrado e repassado pela imprensa ficará muito, mas muito difícil negar a compra de votos em benefício dos candidatos apoiados pelo grupo político do prefeito Milton Passos.

Mas, vamos aos fatos. Melhor, às consequências. Será possível que os casos dos R$ 180 mil, com o primo de Wellington, os R$ 11 mil com o marido da Flora Izabel e agora os R$32 mil sejam negativos o suficiente para reverter o cenário e provocar o segundo turno? É nisso que apostam os governistas.

Será que as pessoas perderam a capacidade de indignação ou são cúmplices? Fico com a segunda, sem desconsiderar que parte significativa da sociedade não aceita, não participa e não é conivente com esta prática. Só que também não reage e sua omissão tem peso decisivo nas eleições!!

A certeza que a impunidade reina no país faz com que as pessoas adotem o “Ah, isso não vai dar em nada”.

Vamos às urnas!!