Bolsa Família na campanha

07/06/2014 - 15:55

 

Os céticos do Programa Bolsa Família encontram 1001 motivos para questionar a sua função social. Os defensores apontam, igualmente, os 1001 motivos para defender.

O fato é que, a cada campanha, o programa é colocado no centro de muitas discussões. Também é fato que não existe nenhum dado, estudo, enfim, nestes 10 anos, que não seja oficial…

Mas, nos voltamos aqui para a informação de 96,8% dos beneficiários do Programa Bolsa Família cumpriram freqüência escolar em fevereiro e março deste ano.

Coluna de hoje

07/06/2014 - 07:33

image

A dificuldade e a facilidade

Queixosos do tratamento que lhes fora dispensado, nos últimos dois meses, ou melhor, desde que foram alçados ao Governo, os tucanos devem receber um interlocutor por estes dias ou mesmo um chamado do governador Zé Filho. Coisa do tipo: aos amigos tudo e aos inimigos a Lei.

A semana que passou foi considerada o tempo suficiente para que os ânimos se arrefecessem, bem como algumas definições necessárias fossem encaminhadas. Agora, oficialmente candidato à reeleição, a conduta de Zé Filho deve ser outra e bem mais ágil. E mesmo que diga que não tem pressa, que está tudo dentro do esperado, que é tudo normal e previsto, o governador se articula fortemente pelas beiradas.

Também será esclarecido que não havia nenhuma definição em torno do seu nome e o candidato da situação era outro…agora, tudo muda de figura, de lado, de jeito, de tratamento. Ao gosto do freguês.

 

Sem querer, querendo

O governador Zé Filho concedia entrevista, nesta sexta, e dizia que esperava pelo PSDB, por Sílvio Mendes. Dá o tempo para a poeira baixar…

Aí, de pronto revela, que as conversas continuam e tinha tido uma reunião na mesma manhã com Sabino Paulo, pai do candidato Firmino Paulo, que vem a ser cunhado e sobrinho do prefeito de Teresina.

Alguém tem dúvida que a pedra no meio do caminho de Sílvio Mendes tem nome e sobrenome?

 

O prazo de cada um

Como todos têm larga experiência na política, e quando se trata de PMDB a esperteza é elevada ao expoente máximo, é de se esperar que pelo menos uma condição seja colocada à mesa com os tucanos: a de uma decisão rápida, menos sofrida e sem dramas pessoais ou qualquer tipo de vitimização.

Não é interessante, nem inteligente que este lengalenga se arraste e provoque mais desgaste na relação pessoal dos envolvidos, bem como na relação com o maior interessado – o eleitor.

 
Tucanos não entregaram os cargos

Sim, os dois secretários continuam em seus postos, em perfeita e promissora sintonia com o governador Zé Filho. E, como revelado pelo próprio vereador Renato Berger, com o aval de Sílvio Mendes.

Consciente da dificuldade que pode encontrar para fechar uma coligação, o ex-prefeito não fez maiores exigências aos correligionários.

E como não ser? É o que tenho dito: o ninho está carente de Governo há mais de 10 anos.

 

image

As voltas do mundo

O ex-deputado federal Mainha deu um pulo grande. Saltou uma fogueira, mesmo. Depois de caladinho sair do DEM e pegar o Solidariedade, partido recém criado e que preside no Piauí, ele anunciou ontem que votará no PT, em Wellington Dias, despachando o ex-senador Mao Santa com quem vinha percorrendo vários municípios do interior nos últimos meses.

Assim, garantiu um palanque forte e uma legenda viável na disputa por uma vaga na Câmara Federal. No plano nacional, Mainha continua a votar no tucano em Aécio Neves.

 
O real motivo

O melhor a ser feito é não esticarem a corda com o deputado federal Marllos Sampaio para tratar de substituição de candidato no PMDB.

Sem meias palavras, dó, nem piedade, ele dispara : “Faltou o povo na campanha de Marcelo Castro.Só isso”.

 

Descontentes insistem em tirar PP de Dilma

O senador Ciro Nogueira deve encontrar algumas pedras no caminho e antes de consolidar o apoio da sigla no palanque de Dilma Rousseff.

O ex-presidente da sigla, senador Fesncisco Dornelles, levará para a convenção nacional do PP a proposta para que a sigla fique neutra, a exemplo das duas últimas disputas presidência da República.

O senador piauiense e presidente nacional do PP já arranhou o disco: o apoio se dá por coerência.

Zé Filho fecha com PSB e marca convenção dia 29

06/06/2014 - 13:18

O governador Zé Filho assumiu, em definitivo, o comando da sucessão dentro de casa. Saiu da reunião com o PMDB com a data da convenção marcada para o dia 29 de junho. De lá seguiu para encontro com lideranças do PSB, onde obteve todas as garantias de reedição da aliança firmada ainda em 2010.

Zé Filho conseguiu de Wilson Martins um compromisso público de que, além do apoio, vai atuar como bombeiro, conciliador, o que seja, para atenuar a crise instalada desde a saída de Marcelo Castro da disputa.

A principal missão do PSB será resgatar o PSDB para a chapa majoritária da situação. E a palavra chave é “paciência”.

Convenção do PT e aliados marcada para dia 27

06/06/2014 - 12:47

Já tem data a convenção que levantará a bandeira da oposição no Piauí. O nome de Wellington Dias será homologado, próximo dia 27, às 15hs, no Atlantic City.

A aliança ainda não tem nome e ainda aguarda a definição de outras siglas para acertar detalhes da coligação, sobretudo, no que diz respeito à coligação proporcional.

 

Além do PT, já estão confirmados na coligação o Partido Progressista, do senador Ciro Nogueira, que indicou a deputada Margarete Coelho para Vice. E o PTB do senador João Vicente Claudino, candidato à reeleição.

Marcelo falta reunião do PMDB

06/06/2014 - 11:57

Ao contrário do que fora divulgado e esperavam  seus correligionários – pelo menos alguns – o deputado federal Marcelo Castro não compareceu ao evento do PMDB, na manhã desta sexta, dia 06 de junho, que consolida a indicação do governador Zé Filho para encabeçar a chapa da situação nas eleições de outubro próximo.

Marcelo Castro avisou aos mais próximos que marcou uma viagem ao interior do Estado. Mais precisamente na região sul. Por lá deve permanecer no final de semana. O deputado evitou este primeiro encontro, claro, porque ainda se ressente da troca. Entre os pares, a reação é tida como  normal.

Apuramos que ainda não houve nenhum gesto, nem da parte do governador Zé Filho, nem de Marcelo Castro, para amenizar a situação. Também não foi escalado nenhum interlocutor.

 

 

Coluna do Dia

06/06/2014 - 09:24

imageA queixa dos tucanos

Já se sabe porque a bancada tucana resolveu abraçar, pelo menos até o prazo limite das convenções, a pré-candidatura de Sílvio Mendes. Foi maltrato. Segundo o deputado Marden Meneses, desde que teve início o Governo Zé Filho, o PSDB chegou ao Governo, mas não foi Governo.

 

“Adoro o Zé Filho, a deputada Juliana, mas fomos maltratados demais em todos os sentidos, nestes dois meses, inclusive nas pastas que assumimos”, disse ao blog. Marden só fez um pedido: amenizar a palavra a qual se referiu sobre o tratamento dispensado pelo Palácio de Karnak aos tucanos. Foi atendido.

 

 

Primeira conversa

Foi melhor do que esperavam. A primeira conversa entre Mão Santa(PSC) e Sílvio Mendes(PSDB) aconteceu em tom amistoso e pode render bons frutos. Por enquanto, nada decidido. Apenas estão avaliando se estão com os mesmos propósitos, se têm adversários em comum e como se comportariam num eventual segundo turno.

 

Em resumo, Mão Santa foi até Sílvio para sondar a possibilidade dele compor com ele sendo cabeça de chapa. O tucano quer saber se o ex-senador é capaz de apoiá-lo, mesmo tendo um sobrinho no pleito.

 

 

Tucanos encomendaram pesquisa

Mesmo sem que nenhum outro partido considere a candidatura de Sílvio Mendes, além dos próprios tucanos, o ninho está em compasso de espera. Acreditam que na próxima sondagem o ex-prefeito aparecerá com uma vantagem enorme.

 

Tão significativa que poderá convencer os ex-aliados que já se decidiram pelo PMDB a reavaliarem a sua conduta no pleito de outubro próximo.

 

image

Marcelo Castro contra aliança PT-PMDB

O jornalista Cláudio Humberto, um dos maiores colunistas do país, diz hoje que o deputado federal Marcelo Castro foi enquadrado pelo vice-presidente Michel Temer. E este o teria convencido a sair da disputa em favor do governador Zé Filho.

O troco de Castro, de acordo com a publicação: “entrou numa campanha aberta contra a reedição da aliança com o PT de Dilma”.

 

 

Bastidores

Pode até não ser verídica a informação. Dificilmente o vice-presidente Michel Temer cometeria uma indelicadeza destas com um colega de partido, seu conhecido há muitos anos. Mas, é fato. Verdade, verdadeira que há duas semanas teve um jantar no Palácio do Jaburu que consolidou o apoio do PMDB à presidenta Dilma Rousseff e consolidou o nome de Temer na reedição da chapa governista para as eleições. Na ocasião, se faziam presentes tanto o governador Zé Filho como o deputado Marcelo Castro. E não se cumprimentaram

 

E o Dnit?

Não deve proceder esta informação de Cláudio Humberto. Afinal de contas, Marcelo Castro é tutor do Dnit há muito, muito tempo. Mais de uma década, frise-se.

De lá, certamente, não quer ver fora o cunhado Sebastião Ribeiro.

 

Zé Filho espera Firmino

Os deputados estadual Robert Rios(PDT) e federal Júlio César Lima(PSD) são cotados para compor na chapa de Zé Filho à reeleição. O governador não diz que sim, nem que não. É que ainda aguarda, pacientemente, o desenrolar do PSDB e a indicação de um nome do prefeito Firmino Filho para bater o martelo.