Coluna do dia – A transição perto do fim

02/12/2014 - 17:14

wellington e Zé Filho

A transição perto do fim

A semana começa agitada na cena política do Piauí.  No centro a Assembleia Legislativa do Estado. A deputada Ana Paula (PMDB) voltou para reforçar a base governista e, agora, são contados  20 e poucos dias para o Poder Legislativo entrar em recesso. Antes, terá que aprovar a Lei Orçamentária. Tudo para o próximo Governo, leia-se, Wellington Dias.

No centro da disputa, o Poder Judiciário que pleiteia um orçamento com cerca de R$ 90 milhões a mais do que o que o atual Governo oferece e passa bem longe do que sonha o futuro governador, Wellington Dias. Aprovar ou não um recurso maior para os demais poderes só depende da Assembleia.

O que for determinado na Lei aprovada não poderá ser modificado pelo Governo do Estado em 2015, determinou assim o Supremo. E aumento nos repasses é algo que o próximo Governo não quer nem ouvir falar.

Além desses e outras “pendências”,  tem ainda o retorno da tramitação da PEC dos auditores, que  esta semana.Outro assunto que o próximo Governo não quer nem pensar em se tornar realidade.

Números insólitos

Wellington Dias já começou nesta segunda-feira a derramar em longa entrevista os dados que sua equipe afirma ter levantado. O mais grave deles, segundo o governador eleito é que o Estado deve R$ 3 bilhões e teria gasto R$ 6 milhões em detetização.

Cenário incerto e duvidoso

Por outro lado a presidente do PT, Regina Souza, que no dia 1º de janeiro será senadora, afirma ainda não ter recebido todos os dados da transição.

O bicho não é tão feio

O governador Zé Filho rebateu a “pregação do caos”. Segundo ele, além da queda nas receitas, se o Piauí tivesse recebido um tratamento diferenciado por parte do Governo Federal, i cenário poderia ser outro.
É verdade. E o próprio Wellington Dias sabe disso. Já governou o Piauí duas vezes e sabe o peso de uma mão amiga no Planalto Central.

Direto na fonte

Fatos comprovados ou não, certa foi a deputada Margarete Coelho (PP), que como deputada, vice-governadora eleita e membro da equipe de transição foi até a instituição que é de fato a instância certa, Ministério Público, e denunciou o problema do Hospital de Campo Maior. A Justiça atuou e determinou o bloqueio das contas do Estado.

Façam suas apostas

Até que se reste todos os dados comprovados ou devidamente denunciados e aceitos pelo Ministério Público Estado e de Contas, tudo corre o risco de não passar de mero jogo político e que tem rendido muita notícia e manchete de jornal. E a transição de Governo Zé Filho – Wellington Dias, a continuar desse jeito, tende a ser uma novela sem fim. Com crise ou sem crise o Estado precisará ser administrado. Isso é fato.

Decola?
O deputado federal Marcelo Castro  (PMDB) esteve com o ministro da Aviação Civil, Moreira Franco. Na pauta investimentos para a infraestrutura portuária do Piauí. Segundo o deputado  os aeroportos de Parnaíba Bom Jesus, São Raimundo, Picos, Floriano e Teresina terão recursos.
A licitação para o aeroporto de Teresina deve ser lançada em breve.

Agora vai?

João Henrique e Raimundo Neto, firmes e fortes
O secretário de Saúde, Mirocles Veras, foi exonerado a pedido. A deputada Ana Paula (PMDB) também deixou a secretaria de Justiça e volta para a Assembleia na missão de reforçar a base do governador Zé Filho.
As duas pastas, Saúde e Segurança sofreram baques fortes. Também tem segurado muito bem a onda os secretários de Administração, João Henrique Souza e o de Fazenda, Raimundo Neto.

Não passa o bastão

O governador Zé Filho não sabe se vai entregar o comando do Estado para o senador Wellington Dias.
Quem já se decidiu foi a governadora Roseana Sarney que renunciará ao mandato, segundo se comenta, no próximo dia 08 de dezembro.

Silêncio providencial

Repararam como ninguém mais fala na vaga de conselheiro para o Tribunal de Contas do Estado?
Então,  se nos próximos 15 dias a vacância não for declarada, fica para 2015.
E o silêncio dos deputados estaduais e demais poderes que já se manifestaram não é por qualquer coisa não.

Paulo Martins se diz otimista com apoios

02/12/2014 - 15:25
Paulo Martins votando eleição APPM
O prefeito de Campo Maior e candidato a presidente da APPM (Associação Piauiense de Municípios), Paulo Martins, votou por volta das 14 horas. Ele disse que está otimista pelos apoios dos prefeitos, inclusive com o fortalecimento de sua candidatura por prefeitos de outros partidos como o PP, fato que se consolidou ainda ontem a noite após reunião.  
A votação para a escolha do novo presidente da entidade encerra às 17 horas. Paulo Martins concorre com os prefeitos de Hugo Napoleão, Hélio Rodrigues e com o atual presidente, Arinaldo Leal, que concorrer a reeleição.

Zé Filho, contido, atribui situação a queda da receita

02/12/2014 - 15:19

entrevista zé filho

Como se diz no bom popular, Zé Filho não chutou o pau da barraca. Contido, não apontou culpados e atribuiu a difícil situação do Estado à queda das receitas, ao tamanho da máquina administrativa e ao bloqueio dos recursos de empréstimos.

Mais do que contido, preservou o ex-governador Wilson Martins, assumindo um risco alto, altíssimo. Ou alguém acredita que o senador Wellington Dias, ao assumir, vai amenizar o tom com Zé Filho? Se hoje, já prega o caos (termo utilizado pelo próprio governador), imagina-se quando reassumir o Karnak.

Da coletiva, a informação que mais interessa ao funcionalismo: salários e décimo terceiro estão gerantidos. Quanto aos fornecedores, um pouco mais de paciência por favor.

O que dirá Zé Filho?

02/12/2014 - 11:44

posse ze filho

Não se pode esperar muita coisa do pronunciamento de logo mais do governador Zé Filho. Nos bastidores a informação é de que ele vai falar que a situação financeira do Estado ão foi provocada por ele e sim por outros (como o blog adiantou ).

Ao contrário do tiroteio esperado, assim como fez em seu discurso de posse, Zé Filho deverá se utilizar de frases de efeito, citações de grandes filósofos e pensadores para explicar a situação e apontar os responsáveis.

Ou Zé Filho fará como fez Wilson Martins, mesmo depois de três anos alegou que recebeu o Estado quebrado? Zé Filho vai dizer que foi Wilson quem lhe passou um Estado em dificuldades? Aguardemos.

Recriado o PL, Júlio César comandará dois partidos

01/12/2014 - 15:07

Kaasab Georgiano Júlio César

A estratégia do ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, tem como foco trazer os novos eleitos que estejam insatisfeitos com seus partidos. A receita não é diferente da que ele empregou quando criou o PSD.

A legislação eleitoral permite que os eleitos mudem de partido sem perder o mandato desde que a sigla seja nova, recriando o PL, Kassab terá em suas mãos um maior número de aliados com mandatos, portanto mais poder de barganha no Congresso para o seu PSD.

No Piauí a estratégia já ganhou um nome forte, trata-se do filho do deputado federal Júlio César (PSD), o deputado estadual eleito, Georgiano Neto (PSD). Uma vez recriado no Piauí o PL seria mais uma sigla de apoio ao deputado Júlio César e até mesmo Georgiano estaria livre para mudar de partido

W Dias anuncia secretário e acomoda primeiro aliado

01/12/2014 - 13:56

Limma anuncio secretário Wellington Dias

O primeiro nome anunciado pelo governador Wellington Dias (PT) como secretário foi o do deputado estadual eleito, Francisco Limma (PT). Ele assume como deputado, mas não ficará na Alepi, o que já provocará a convocação do primeiro suplente da coligação, Ziza Carvalho (PROS).

Wellington já começou a formação do Governo modificando a composição da Assembleia, mas nesse caso o governador eleito resolve dois problemas de um anúncio só, acomoda um aliado e coloca a frente da Secretaria de Agricultura do Estado um nome mais do que experimentado na área. A ligação de Limma com a agricultura familiar, área que W. Dias diz querer fortalecer é inquestionável.

E foi justamente em uma reunião com a Federação dos Trabalhadores em Agricultura do Piauí (Fetag-PI) que o governador eleito fez o anúncio do primeiro nome de sua equipe.