Nota do PT, assinada por Regina Souza, contra Elisabeth Sá

10/08/2014 - 20:12

Transcrevo abaixo a nota repassada à imprensa em que a presidente do PT faz graves, terríveis e injustas acusações à esta jornalista.

No próximo post, as minhas considerações a respeito.

 

 

Regina Souza assina nota do PT contra jornalista Elisabeth Sá

Regina Souza assina nota do PT contra jornalista Elisabeth Sá

 

Nota da presidenta estadual do PT – Regina Sousa

A presidente do PT, Regina Sousa, considerou grave, irresponsável e leviana as insinuações da coordenadora de Imprensa e Relações Pública da Assembleia Legislativa, jornalista Elizabeth Sá, que ao comentar em seu blog na Internet sobre o episódio de sabotagem do veículo do deputado Federal, Assis Carvalho, insinuou que os também candidatos a deputado federal Merlong Solano e Rejane Dias, teriam interesse, na sabotagem e na consequente morte do deputado Assis Carvalho.

“A história de mais de 30 anos do PT depõe contra a tese esdruxula da jornalista Elizabeth Sá” – protesta Regina Sousa. “Para não falar de conquista políticas ligados ao PT afirmo que este Partido, tem uma história voltada para o respeito às leis, aos direitos humanos, tendo a paz como objetivo supremo” – completou a presidente.

De acordo com a petista, quem primeiro falou em sabotagem foi a própria oficina que fez a vistoria no carro e constatou o fato, e não o Assis Carvalho, como afirma a jornalista de forma irresponsável, sem apurar os fatos antes de escrever e divulga-los.

Muitos jornalistas piauienses ligaram para a Polícia Federal, para confirmar uma suposta abertura de inquérito contra o deputado Assis e ouviram da Polícia a informação da inexistência de qualquer procedimento com o nome do deputado.

Para Regina Sousa, não é de se “estranhar que Elizabeth, depois de um logo período de afastamento da atividade jornalística, ela volta ao batente exatamente levantando suspeitas infundadas e que só poderiam se sustentar mesmo no fato dela estar prestando serviços aos que mantem seus interesses pessoais na Assembleia e no próprio Governo do Estado”, diz.

A presidente do PT avalia que a jornalista, pelo seu longo afastamento da sua primeira atividade profissional, parece ter esquecido de fazer análises mais amplas do quadro político estadual, pois assim poderia dizer aos seus leitores que o grupo político a que ela serve não está apenas num embate eleitoral com o PT e outros partidos, mas sim numa guerra de vida ou morte.

“Aliás, a jornalista até mesmo cospe no prato que está comendo. Esquece até que o próprio marido dela, Henrique Pires, é o presidente da Fundação Nacional de Saúde, detentor, portanto, de importante cargo do governo federal que é liderado pelo partido ao qual ela levanta suspeitas e faz insinuações infundadas sobre seus parlamentares.

A presidente do PT lamenta que ainda exista profissional da imprensa que se deixa levar pela paixão política e não dê importância à imparcialidade, um dos pilares da ética do jornalismo. “Ouvir as duas parte e apurar uma notícia é o mínimo que se espera de um jornalismo sério”, diz Regina Souza.

Ela encerra ressaltando que o Partido dos Trabalhadores é solidário ao candidato Assis Carvalho pelo episódio, assim como protesta contra a atitude da jornalista Elisabeth Sá, ao divulgar comentário tendencioso e de forma leviana e irresponsável em seu blog na internet.

Resposta à Rejane Dias e Merlong Solano

10/08/2014 - 19:16

 

 

Foto do veículo de Assis Carvalho sendo periciado pela Polícia Federal

Foto do veículo de Assis Carvalho sendo periciado pela Polícia Federal

 

 

 

Resposta à Merlong Solano e Rejane Dias

Aos finais de semana costumo dedicar meu tempo à família e à vida no meu universo particular. Mas, não poderia esperar até o início da semana para desfazer este grande mal entendido que ganhou uma proporção inimaginável, com as manifestações públicas dos deputados Merlong Solano e Rejane Dias, bem como do Partido dos Trabalhadores, através de sua presidente Regina Souza, e do ex-secretário Oscar de Barros…até onde sei.

Também peço licença ao leitor para escrever em primeira pessoa, uma vez que sempre manifestei minhas avaliações em terceira pessoa. Bom, vamos aos fatos!

Aos deputados Rejane Dias e Merlorg Solano, minha maior surpresa por embarcarem e permitirem, assim, o uso eleitoreiro da pior forma possível, sem respeitar a mim, minha profissão e minha família.

A pergunta-título do meu comentário “Quem ganha sabotando Assis Carvalho?” seguida no texto de outro questionamento “A quem interessaria um sinistro com Assis Carvalho?” tem como resposta clara e objetiva que “qualquer fatatilidade como Assis Carvalho beneficiaria os seus pares como Rejane Dias e Merlong Solano, também do PT e que disputam com chances reais vaga na Câmara dos Deputados, bem como os demais candidatos da coligação que podem estar numa eventual disputa interna”.

Agora, me digam, em que parte acusei Rejane ou Merlong de estarem por trás da suposta sabotagem anunciada pelo candidato a deputado federal Assis Carvalho? Apenas disse e repito que os dois seriam os maiores beneficiados e a abordagem feita se deu EXCLUSIVAMENTE em função do COEFICIENTE ELEITORAL. E isso é fato, quem acompanha a política sabe disso, os deputados citados podem até não concordar com a minha análise, mas sabem que ela é crível e perfeitamente cabível! Também foi dito e repito que os demais candidatos da coligação seriam beneficiados, num segundo momento, acredito nisso e por isso escrevo, caso os dois candidatos do PT, preferencialmente, não herdassem os votos que seriam conferidos à Assis Carvalho.

Dizer que os votos faltariam à legenda, como foi argumentado, eu não acredito. Muito pelo contrário. Diante de um suposto episódio confirmado de sabotagem, seguido de uma fatalidade com o deputado federal petista Assis Carvalho, este cenário imaginado provocaria um sentimento de comoção entre seus eleitores, cabos eleitorais, da população de um modo geral que, motivamos por este sentimento de solidariedade, teria um efeito totalmente reverso ao que se referiu Assis Carvalho, quando chamado a dar explicações sobre a foto repassada pelo whatssap em que seu carro aparecia sendo periciado pela Polícia Federal, juntamente com a informação de que teria sido pego com R$100 mil escondidos dentro do veículo.

Aliás, essa análise em torno do Coefiente Eleitoral foi mais para se contrapor a informação de que “adversários” estariam por trás do suposto atentado sofrido por Assis Carvalho. Não para defender, para camuflar ou esconder, mas para lembrar que antes mesmo de beneficiar a oposição os de casa seriam contemplados com sua ausência.

 

Cada estado com seu código

08/08/2014 - 16:00

O atual governador do Rio de Janeiro e concorrente à reeleição, Luiz Fernando Pezão (PMDB), defendeu que cada Estado tenha um Código Penal específico, citando como exemplo as diferenças entre a segurança pública no Rio de Janeiro e em Estados como Rondônia, Roraima e Acre.

“Pelo menos para o Sudeste, (…) a gente não pode ter o mesmo Código Penal no Rio de Janeiro assim como temos em Rondônia, em Roraima e no Acre. Assim como não podemos ter o Código Florestal da Amazônia aqui para a cidade do Rio de Janeiro”, justifica o candidato.  Uma justificativa até interessante, o problema é que o debate sobre direitos básicos do cidadão,como o da liberdade, não pode ser feito com base em distinções geográficas e demográficas.

fonte:uol.com.br

W. Dias e Robert discordam sobre Segurança

08/08/2014 - 15:00

O ex-governador Wellington Dias teve dois mandatos e ao que parece não conversou com o seu ex-secretário de Segurança sobre um tema polêmico: o de se ter um delegado em cada cidade.Wellington Dias defendeu hoje (8) durante entrevista na TV Cidade Verde que o Piauí tem que ter sim um delegado em cada cidade e que se for eleito será uma de suas medidas na área da Segurança, garantir que cada cidade do Estado tenha um delegado.

robert

Já, um parceiro do ex-governador, o deputado Robert Rios (PDT), que foi secretário de Segurança por duas vezes, não acredita na viabilidade da medida. Embora concorde que o Piauí precisa de mais delegados, Robert Rios usa o argumento de que no Piauí há cidades que distam menos de 30km uma da outra e ter um delegado em cada cidade não resolveria o problema, mas sim investimentos em infraestrutura da Segurança e mais policiais.

 

Coluna do dia – Quem ganha sabotando Assis Carvalho?

08/08/2014 - 11:34

image

Quem ganha sabotando Assis Carvalho?

Esta deveria ser a primeira pergunta feita pelo deputado federal Assis Carvalho que se colocou diante de mais um espetaculoso incidente com graves suspeitas de sabotagem e encenação. Sim, encenação. É o que mais se comenta em todas as rodas políticas.
Mas, voltemos à pergunta-título. A quem interessaria um sinistro com Assis Carvalho? De imediato, a não ser tenha mais coisas por trás ou intrigas que esta jornalista desconheça, qualquer fatalidade com Assis beneficiaria seus pares, como Rejane Dias e Merlong Solano, também do PT e que disputam com chances reais vaga na Câmara dos Deputados, bem como os demais candidatos da coligação que podem estar numa eventual disputa interna. Só depois a de se pensar que os votos de Assis, em não sendo transferidos para qualquer outro nome da coligação, fariam falta à legenda. E, assim, beneficiar, adversários como o próprio deputado divulgou.

As comparações feitas

O fato é que, até agora, Assis Carvalho tem muito do que se reclamar. Primeiro de tudo porque ele, realmente, acredita que atentaram contra sua vida. Segundo, que mais a vez associaram sua imagem ao uso de muito dinheiro numa campanha eleitoral. A imagem de seu carro sendo periciado pela Polícia Federal foi repassada em questão de minutos para milhares de pessoas (ainda hoje deve estar acontecendo isso), juntamente com a informação de que teriam sido encontrados R$ 100 mil. E terceiro porque ninguém merece as comparações feitas entre o que aconteceu e o candidato a senador Gustavo Feijó e ex prefeito Felipe Santolia.

Lázaro do Piauí na campanha de Zé Filho
Não será limitada à composição de jingles e participação em comícios. O presidente da Fundação Cultural Monsenhor Chaves, Lázaro do Piauí, se afastará do cargo para se dedicar, exclusivamente, à campanha de Zé Filho. O sinal verde foi dado pelo prefeito Firmino Filho que começou a dar seus pulos na campanha.

Tudo na mesma, aponta Ibope

Pesquisa Ibope divulgada nesta sexta-feira pela Rede Globo aponta que, após um mês de campanha eleitoral, a disputa pelo Palácio do Planalto permanece estável. A presidenta Dilma Rousseff (PT) tem 38% das intenções de voto, contra 23% de Aécio Neves (PSDB) e 9% de Eduardo Campos (PSB). Na pesquisa anterior, Dilma aparecia com os mesmos 38%. Aécio marcava 22%, e Campos, 8%.

Dilma também vence no segundo turno

Para um eventual segundo turno, os números mudam um pouco, mas nada que acenda o sinal amarelo na campanha de Dilma Rousseff que tem 42%, contra 36% de Aécio (no levatamento anterior, a diferença era de 41% a 33%). No cenário contra Campos, Dilma marca 44%, ante 32% do candidato do PSB (essa diferença era de 41% a 29% em julho).

A pista de pouso do governador

07/08/2014 - 17:27

A Coordenação de Comunicação da Campanha de reeleição do governador Zé Filho (PMDB) respondeu a denúncia sobre construção de um aeroporto na fazenda de sua propriedade. Segundo a assessoria, o cunho da matéria é improcedente e com visível intenção de macular a imagem do Governador Zé Filho.

“Não se trata de um aeroporto, mas  de uma pista de pouso e decolagem doméstica para aeronaves de pequeno porte”, afirma a nota. Informa ainda que pista de pouso já existe há anos, foi reformada antes do Governador Zé Filho assumir o seu mandato e toda feita com recursos próprios, atendendo a todas as orientações legais”, afirma a nota.  A pista de pouso está localizada dentro da fazenda da família do Governador Zé Filho, patrimônio adquirido há muitas décadas ainda pelo pai do governador, o ex-deputado federal Antônio José de Moraes Souza.

O governador Zé Filho entende que denúncias sem fundamentos comuns ao período eleitoral não devem ocupar os espaços de comunicação por confundir a cabeça dos eleitores. Matérias com este tipo de conteúdo não contribuem em nada para o debate político e só servem a interesses de alguns dedicados em manchar a honra de cidadãos de bem.