Coluna do dia – Motorista de Wellington Dias e R$ 180 mil de origem desconhecida

12/09/2014 - 10:19

Dinheiro Campanha de Wellington palio weekend placa-jhu-5627 blog elisabeth sá

Motorista de Wellington Dias e R$ 180 mil de origem desconhecida

O senador Wellington Dias se vê, literalmente, no olho do furacão. A apreensão de R$ 180 mil, em espécie, escondidos embaixo do banco de um carro, com um funcionário do seu gabinete no Senado, saindo de Brasília com destino ao sul do Piauí, na divisa com a Bahia, levantou muitas suspeitas sobre o uso de caixa 2 na campanha do petista para o Governo do Estado. Será desta e com certeza de outras acusações, como o abuso do poder econômico, que Dias terá agora que se defender até o final das eleições.

A tentativa de minimizar o episódio, dizer que estão espalhando mentiras, começar uma ofensiva através das redes sociais, não deve surtir muito efeito. Mais inteligente pensar em como lidar nesta situação de crise. Isso porque, quando se fala em dinheiro, quando se tem a imagem do dinheiro, de 1.800 notas de R$ 100, 00, quando se mostra um vídeo da apreensão feita pela polícia e se tem a informação de que todo o montante de R$ 180 mil ficou apreendido e será destinado para a Justiça Federal, muita coisa ainda deverá ser explicada.

Neste momento, com o afunilamento da campanha eleitoral, é claro que o fato deverá ser explorado pelos adversários do candidato.  Aliás, até o momento não se manifestaram nenhum deles.  Restam pouco mais de 20 dias e novos desdobramentos são aguardados, pois o motorista do gabinete do senador Wellington Dias deverá prestar novos esclarecimentos. A propósito, José Martinho é lotado como motorista, mas quem conduzia o veículo era outra pessoa: Paulo Fernando de Sousa que apresentou documentação falsa à Polícia Rodoviária Federal e, sem função disso, o veículo foi inspecionado.

O fato é que, diante do cenário formado, resta saber se vai interferir no curso da campanha, se vai ser uma bomba ou um traque para Wellington Dias que, até agora, é o favorito para levar a eleição no primeiro turno pelas pesquisas de intenção de voto.

 

A origem do dinheiro

Com relação à origem do dinheiro, esta não deve demorar muito para aparecer. Pelas imagens reproduzidas em todos os sites e emissoras de televisão, bem como nas redes sociais, foi possível verificar que algumas cédulas estão com o lacre do Banco Bradesco de onde, certamente, foi sacada toda ou pelo menos parte da quantia. No lacre do Banco, consta o dia em que foi sacado o dinheiro, o lote e a identificação da sua origem.

Logo, logo, se quiserem, todos vão saber já que José Martinho Araújo, que alega ser o proprietário de toda grana, não soube explicar como conseguiu, nem a origem do dinheiro. Apenas, inocentou o senador Wellington Dias e disse que o destino final seria a compra de uma propriedade no Piauí.

A imagem do dinheiro

A imagem é forte e está sendo explorada em todos os níveis, sendo repassada pelas redes sociais.

Mas, nem todos os candidatos desta campanha podem aventar a possibilidade de falar no assunto, sob o risco de puxarem imagens da campanha de 2010.

 

José Martinho e Wellington Dias

O senador Wellington Dias declarou à Tv Clube que José Martinho não é seu funcionário e, sim, do Senado. Bobagem, grande bobagem! Segundos após a divulgação das matérias – no Piauí TV  e no Jornal Nacional –  começaram a circular fotos de Martinho já nesta campanha de Wellington no interior do Piauí que estão no seu facebook.

Também foram repassados os atos de nomeação de José Martinho que exerce cargo de comissão no Congresso, portanto, por indicação do senador Wellington Dias.

Além de tudo, também muito se comentou que José Martinho Araújo é parente próximo de Wellington Dias e natural da região de Coronel José Dias.

 

Muitas perguntas serão feitas

Se esse dinheiro fosse do motorista do Senado, os R$ 180 mil em espécie, teria ficado retido ? É a primeira delas.

Se José Martinho Araújo é motorista de Wellington, porque entregaria seu carro a um motorista com habilitação falsa? A segunda.

Quem é Paulo Fernando Sousa, o condutor do carro apreendido com os R$ 180 mil e continua preso? A terceria.

 

Pensando bem…

Está na hora de Duda Mendonça mostrar a que veio na campanha de reeleição do governador Zé Filho. Com resultado técnico questionável quando comparado aos programas produzidos por publicitários piauienses, sobretudo frente à expectativa de algo extraordinário, o programa do candidato do PMDB deve explorar o novo escândalo envolvendo o funcionário do gabinete do senador Wellington Dias.

Agenda

Pode ter sido uma grande coincidência, mas muito estranha a agenda de Wellington Dias, nesta sexta, numa reta final da campanha, em São Paulo e Brasília.

Marina não perdoa nem aliados

11/09/2014 - 18:00

marina_1

Marina Silva disse hoje (11), durante sabatina do jornal “O Globo”, que as pessoas não confiam em um partido que colocou um diretor na Petrobras para “assaltar os cofres” da estatal. Ela fez referência a Paulo Roberto Costa, ex-diretor da empresa, preso  pela operação Lava Jato por suspeita de participar de esquema de corrupção em contratos da Petrobras.

A candidata a presidência da República foi mais longe. Quando teve que responder sobra a participação de Eduardo Campos (PSB) no esquema disse que nem acusa, nem defende Eduardo Campos e que as coisas devem ser investigadas “doa a quem doer”.

Adotando esse discurso, Marina avança na ofensiva contra Dilma Rousseff e o PT, bem como dá o tom de como será o segundo turno da disputa.  Marina mostra que  está para tudo, inclusive de não perdoar os próprios aliados e, assim, mostra mais uma vez suas incongruências. Se comprovada a participação de Eduardo e do PSB como justificar a sua aliança, já que se diz a representante da nova política? E como explicar a aliança com alguém em quem não se confia? Se não acreditava na conduta de Eduardo Campos como explicar essa aliança?

Coluna do dia – A pesquisa Ibope no Piauí

11/09/2014 - 17:48

ibope

Não será por falta de pesquisa que os políticos e eleitores deixarão de fazer suas análises em torno da sucessão estadual. Nesta quarta, o Ibope divulgou novos números para governador com um cenário muito, muito parecido com o apresentado no último levantamento do instituto que foi realizado entre os dias 10 e 12 de agosto.

É como se, em um mês, o quadro permanecesse inalterado e com a garantia de vitória para Wellington Dias, ainda no primeiro turno, com 49% das intenções de voto contra 22% do governador Zé Filho que tenta a reeleição. No levantamento anterior, o candidato petista tinha 46% e Zé Filho aparecia com 23%.

A primeira observação é que, em meio a tantas pesquisas e embora dentro da margem de erro, o Ibope foi o único a registrar queda nas intenções de voto para Zé Filho. Todos os outros apontaram crescimento. A segunda observação é , em caráter de questionamento, se dá em função do número de indecisos. É que somente o Ibope apontou 14% dos eleitores que não sabem em quem votar nas eleições para governador, quando o Amostragem e o Data AZ apresentaram números bem superiores, na casa de 40%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o protocolo número PI-00127/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob protocolo número BR-00585/2014.

Ibope para senador

O Ibope também divulgou pesquisa de intenção de votos para o Senado Federal no Piauí. O candidato Wilson Martins (PSB) aparece na dianteira com 40%, em seguida permanece Elmano Férrer (PTB) com 33%.  No levantamento anterior Wilson Martins tinha 39% e Elmano estava com 25%.

O crescimento do véin foi registrado, assim como em outros institutos, o que destoa na pesquisa é que não foi detectado nenhum crescimento de Wilson Martins, como foi registrado nos demais institutos, inclusive na capital.

Também é a primeira pesquisa a apontar uma diferença, digamos, pequena, menor que 10%. Sobretudo, quando comparada às outras já divulgadas.

O certo é que, também vale o registro, de que não se deve comparar a ferro e fogo o resultado de pesquisas…cada instituto tem sua metodologia.

Balde na militância

As pesquisas podem ser encaradas como balde de água fria na militância de Zé Filho que é maior e uma das mais empolgadas. Agora a missão é mostrar como a situação pode ser revertida, nisto os candidatos proporcionais devem ser cobrados e a militância motivada, mas como mostrar a capacidade de reversão de um quadro diante do bombardeio de informações? Para os candidatos proporcionais a próxima semana será decisiva para o quadro eleitoral majoritário.

Olheiros de plantão

Hora de fazer a conferência dos locais onde prometeram votação. A fiscalização de quem está realmente pedindo votos está em campo. O blog recebe informação de que o serviço tem se iniciado dentro das coordenações de campanha, passando pelas redes sociais dos candidatos. O primeiro passo está sendo verificar a agenda de reuniões com prefeitos e vereadores para depois mandar o “fiscal” a campo. De ambos os lados, tanto de Zé Filho  como de Wellington Dias o processo está sendo bem parecido, apenas com algumas alterações.

 Da série “os boatos se multiplicam”

 Cícero Magalhães e Jesus Rodrigues negaram adesão para Zé Filho. No caso dos boatos envolvendo os dois nomes, apesar de maldosos e de uma estratégia baixa, vão ao encontro da realidade, pois Jesus Rodrigues e Cícero Magalhães (PT) que foram os primeiros a demonstrar descontentamento com aliados de partido, alegando entre outras coisas a “invasão” de colégios eleitorais dentro da sua própria coligação .

STF joga balde de água fria na oposição

11/09/2014 - 10:16

 images (4)

O Supremo Tribunal Federal (STF) enviou para a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da Petrobras os documentos da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que investiga esquemas de lavagem de dinheiro e de evasão de divisas com suposto envolvimento de doleiros, políticos e funcionários da estatal. Os documentos, no entanto, ainda não trazem o conteúdo do processo de delação premiada no qual o ex-diretor de Abastecimento da Petrobrãs Paulo Roberto Costa teria delatado 31 autoridades, como divulgado nesta semana pela revista Veja.

Isso joga um verdadeiro balde de água fria na oposição à presidenta Dilma. Com a falta dos documentos da delação, o arsenal que opositores preparavam contra a campanha do PT ficará minado. A CPI da Petrobrãs já possui mais de 18 mil páginas, só que neste momento as páginas que mais interessavam ao jogo político eram as páginas referentes ao depoimento do ex-diretor.

Basta ver que durante a campanha eleitoral o assunto esteve adormecido e até mesmo a retomada dos trabalhos da CPI foi adiada porque todos estavam mais interessados no trabalho da campanha eleitoral em seus estados. Além disso, a última pesquisa Datafolha, divulgada ontem, mesmo após o conhecimento do caso, não revelou qualquer reflexo ou baixa na intenção de votos para a candidata do PT.

“O dia em que mataram Mão Santa”

10/09/2014 - 17:20

MaoSanta

“O dia em que mataram Mão Santa”, uma espécie de paródia de mau gosto do show do humorista João Cláudio, “O dia em que Mão Santa perdeu o emprego”, foi o que fizeram hoje com ex-senador e candidato ao Governo. A central de boatarias desta campanha está a todo vapor, fazendo praticamente uma vítima por semana.

Hoje, a vítima foi Mão Santa (PSC), pois correu esta tarde, em Teresina,  e até em Timon (MA) o boato de que o ex-senador teria sido vítima de um acidente de carro.

Mais boato, fofoca pura. Segundo familiares do ex-senador, Mão Santa nunca esteve tão bem e disposto.

O blog já havia tratado sobre o tema esta semana. Já foram alvo da central de boatos de campanha em 2014, o senador Wellington Dias (PT), o governador Zé Filho (PSB) e o ex-governador Wilson Martins. Pela central, Wellington Dias teria levado um tapa na cara de eleitora em Cocal, Zé Filho teria adiado compromisso em União por causa de exagero com bebida e Wilson Martins teria sofrido acidente aéreo.

Tudo boato, pura fofoca eleitoral.

Pesquisa mostra que Elmano teria mais potencial que JVC

10/09/2014 - 15:22

Sebastiao-Leal-03

O resultado da pesquisa Amostragem divulgada nesta quarta-feira pelo Sistema Meio Norte de Comunicação mostrou que a tese defendida pela campanha do ex-prefeito de Teresina, Elmano Ferrer (PTB), candidato ao Senado, estava certa. Desde o começo a coligação defendia que o favoritismo de Wilson Martins estava muito baseado no fato de Elmano não ser conhecido do eleitorado.

Wilson Martins, que não tinha preferência do eleitorado da capital, conseguiu avançar cinco pontos, mas por outro lado, Elmano, que não era conhecido no interior também cresceu, saindo de 17,12%, em julho, para 29,2% na  pesquisa divulgada hoje. Um crescimento de 12 pontos percentuais.

Elmano tem uma grande desvantagem em relação a Wilson Martins, pois iniciou a campanha muito tardiamente, isso é outro aspecto importante que o dado da pesquisa mostra, se o “véin” fosse desde o início o candidato ao Senado pela coligação estaria dando mais trabalho para o “trator”.