Coluna do dia – O debate e o segundo turno

02/09/2014 - 09:58

 

debate sbt blog elisabeth sá

 

O debate e o segundo turno

A polarização entre as candidatas Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB) está mais do que confirmada. Não apenas os números do Datafolha, divulgados na última sexta, mas pelo debate protagonizado, ontem, pelo SBT, em que as duas foram personagens centrais e os outros figuraram como satélites.

As candidatas protagonizaram cenas de confronto direto e é possível dizer que o debate do SBT foi marcado pelos ataques entre Dilma e Marina. O tucano Aécio Neves bem que tentou, mas ficou de fora do centro das discussões, bem como aparenta estar fora do segundo turno das eleições majoritárias.

Por aqui, o segundo turno não é uma realidade que bate à porta. Pelo contrário, o senador Wellington Dias caminha para consolidar a fatia no dia 05 de outubro e o governador Zé Filho corre, literalmente, para ser conhecido e reconhecido pelos eleitores.

Mas, assim como no plano nacional, o clima começa a ficar tenso. Nunca foi ameno,  é verdade. Mas segue o curso natural de toda a eleição e piora com a aproximação do pleito. Com uma diferença, hoje, o senador Wellington Dias começa, verdadeiramente, a ocupar a condição de favorito. Zé Filho tem procurado se mostrar como a verdadeira mudança e se defende, mas tem batido pesado no discurso do opositor petista, alegando que ele já teve oportunidade de fazer e não fez.

Em tempo, dizer que este foi o segundo debate. Mas, o primeiro diante ao novo cenário com a disputa ente Dilma e Marina. Outros virão. É necessário. O confronto de ideias, sem ajustes os ajustes do marketing eleitoral, talvez seja capaz de mostrar quem será a futura presidenta ou presidente do Brasil.

 

O efeito Marina

No Piauí, muitos os candidatos do PSB, não só o ex-governador Wilson Martins, optaram por embarcar nesta onda. E já são muitos os carros que mostram material de campanha colando a imagem do candidato a deputado estadual ou federal, por exemplo, com a de Marina Silva.

Ao mesmo tempo, não se vê movimentação igual entre os partidários e aliados do PT. É como se quisessem esconder a candidata petista, preferindo se apegar à figura de Lula. Se já era tímida a campanha de Dilma no Piauí, agora, o momento de tentar recuperar a popularidade da candidata, não tem encontrado muito trabalho neste sentido.

 

Reação em cadeia

Pelo menos não vai ter mais desculpa de falta de material. O Comitê Nacional da presidente Dilma Rousseff autorizou a confecção de material de campanha – santinhos, adesivos e todo o resto – nos estados.

Resolveu descentralizar a produção deste tipo de publicidade por dificuldades na distribuição. É apenas uma medida dentre outras ações já autorizadas para conter o avanço de Marina Silva.

 

Hoje os nanicos e Wellington

A Ordem dos Advogados do Brasil, Secção Piauí, realizará uma sabatina com todos os candidatos a governador do Estado. Para hoje, a partir das 15 hs, a primeira rodada foi marcada com Mão Santa(PSC), Neto Sambaíba(PPL), Maklandel Aquino(PSOL) e Wellington Dias (PT).

Wellington Dias será, indiscutivelmente, o alvo dos demais candidatos.

 

PSB de Wellington Dias

O grupo liderado pelo ex-prefeito Edilberto Abdias, do PSB de Simões, aderiu à campanha de Wellington Dias. Inclusive, o atual prefeito Francisco Dogizete Pereira, o “Doge”.  O impasse em torno do apoio que tinha sido garantido a Zé Filho se deu em função de candidaturas proporcionais, mais precisamente para deputado estadual.

O que chamou a atenção do blog foi o fato de outra liderança do PSB de Wilson Martins preferir o palanque petista. Só na lembrança, tem o prefeito  Zé Filho de Várzea Grande, a prefeita Débora de Belém do Piauí e Idevaldo de Várzea Branca.

 

Veín aposta na mala direta

O ex-prefeito Elmano Férrer não economizou no papel. E enviou para todo o Piauí carta pedindo votos para a vaga de Senador. No material, Elmano apresenta suas propostas e aparece ao lado de Dilma e Lula.

O danado é que o povo tá esperando é outro tipo de papel. Daqueles que movimenta a estrutura e paga os cabos eleitorais pra fazer a campanha ganhar musculatura – o dinheiro.

“Zé Filho é um democrata”, defende João Mádison

01/09/2014 - 19:00

O deputado João Mádison (PMDB), líder do Governo na Assembleia, disse que viu com estranheza as declarações da deputada federal Iracema Portela (PP) sobre a liberação de obras na cidade de Cocal de Telha.  Segundo João Mádison, o governador Zé Filho (PMDB) não foi informado sobre a liberação de emenda ou contrapartida e “jamais prejudicaria qualquer município por questões políticas, o governador Zé Filho é um democrata e quer ver o Piauí crescer, jamais faria isso com qualquer prefeito”, afirmou o líder do Governo.

zé filho

João Mádison disse que foram repassadas informações equivocadas e Iracema, ao invés de checar os dados preferiu repercutir a polêmica junto a imprensa. “Eu tenho todo respeito e estima pela deputada, ela é uma de nossas parlamentares mais atuantes e esclarecidas, mas desta vez houve um equívoco que eu acredito ser motivado pelos ânimos acirrados da campanha eleitoral”, afirma Mádison.

Campanha de Wilson atrai mais doações que a de Elmano

01/09/2014 - 17:05
Wilson e Elmano polarizam disputa ao Senado Imagem: cidadeverde.com

Wilson e Elmano polarizam disputa ao Senado

 

O ex-prefeito de Teresina, Elmano Férrer (PTB) e o ex-governador Wilson Martins (PSB) protagonizam a disputa pela única vaga ao Senado nestas eleições.  Apesar do crescimento nas intenções de votos desde que começou a campanha, a candidatura de Elmano Férrer “o vein” ainda não empolgou os doadores como empolgou a candidatura de Wilson Martins, pelo menos se levarmos em consideração os números das prestações de conta dos dois candidatos.

Wilson, até agora, recebeu duas vezes mais doações de campanha que Elmano Férrer. Wilson Martins recebeu R$ 792 mil em doações enquanto Elmano não ultrapassou a casa dos R$ 302 mil. Na campanha de Elmano a maior doação veio do Grupo Claudino, R$100 mil em transferência eletrônica e na campanha de Wilson o maior valor doado saiu do Grupo Alencar Auto LTDA,  R$ 340 mil em cheque.

Município pode perder emenda

01/09/2014 - 15:19

A deputada Iracema Portella (PP) concedeu entrevista hoje (1) à TV Meio Norte e afirmou que a cidade de Cocal de Telha pode perder recurso de emenda de sua autoria. O valor da emenda é de R$ 980 mil que seriam destinados a obra de calçamento na cidade.

Ana Célia, prefeita de Cocal é  do PP e não vota no governador Zé Filho

Ana Célia, prefeita de Cocal de Telha, é do PP e não vota no governador Zé Filho

Segundo Iracema Portela, a prefeita de Cocal de Telha, Ana Célia (PP) estaria sofrendo retaliação por não apoiar a reeleição do Governador Zé Filho (PMDB) e por isso a contrapartida do Estado, que deveria sair via Idepi (Instituto de Desenvolvimento do Piauí), não foi liberada.  A deputado se disse surpresa e chateada com a situação porque o empenho para liberar emendas junto ao Governo Federal vem sendo realizado.

Zé Filho diz que Lula não vai achar ruim quem votar nele

31/08/2014 - 12:33

A propaganda começa a esquentar no horário eleitoral gratuito. Há dois dias, o governador Zé Filho optou por um caminho diferente e, sem bater no Lula, preservando mesmo o carismático ex-presidente, volta sua artilharia contra o PT.

Em sua fala, o candidato diz que a campanha do PT usa tanto Lula na televisão que até parece que esta eleição é o Lula contra o Zé Filho. E deixa claro que o adversário é o Partido dos Trabalhadores e não é inimigo de Lula, reconhecendo que ele foi um bom presidente.

“Se você gosta do Lula, mas também acha que o PT já teve sua chance no Piauí, pode votar em mim . Lula é democrata. Ele não vai achar ruim não!”, disse Zé Filho, pedindo votos com o santo alheio.

Essa pegou os petistas de surpresa.

Confira no vídeo abaixo:

E agora, Zé?

30/08/2014 - 12:17

Zé Filho com Eduardo Campos Convenção blog Elisabeth Sá

zé filho e aécio convenção blog elisabeth sá

 

Se para Wellington Dias a coisa complicou, para Zé Filho não é diferente. Talvez um pouco pior. Seu candidato a presidente não tem mais chances de chegar nem ao segundo turno das eleições. O seu próprio vice, Sílvio Mendes, que é correligionário de Aécio Neves já se antecipou aos fatos e credenciou vitória à Marina Silva.

Talvez esta seja a senha dada pelo aliado tucano para que Zé Filho admita a possibilidade de dividir o palanque, desde ontem, com Marina Silva. Sim, dividir. Como fez ao receber Eduardo Campos e Aécio no dia da convenção.

No mínimo, Zé Filho poderá contar com o benefício da dúvida do eleitor e creditar a ele a opção de única via da mudança que todos pregam. Pois, do jeito que a eleição vai, com uma nova emoção a cada semana, pouco se pode prever o que passará na cabeça do eleitor em 30 dias.