O sinal do calote

30/09/2014 - 12:53

padre-tony-sinal-de-deus - elisabeth sá

Atenção senhores políticos! Não é só com a Polícia Federal e a Justiça Eleitoral que aqueles que estão pensando em comprar votos devem ter cuidado. É bom ter cuidado também com os eleitores bem aconselhados, pois o risco de comprar e não levar fica ainda maior quando um Monsenhor dá conselhos nada republicanos aos seus paroquianos.Ainda mais se a ideia vem de um dos homens mais respeitados do Piauí, no caso o monsenhor Tony Batista.

Antes do conselho, Padre Tony também alertou sobre a importância de participar do pleito e de não se abster, pois o eleitor que não vota, vota nulo ou em branco, acaba contribuindo para que maus gestores sejam eleitos,até aí tudo bem.  E o sermão estava muito bom. Só que depois ele foi mais longe, bem longe.

Tony Batista  deu o recado e ensinou o eleitor a dar o troco nos políticos compradores de voto, ensinou o calote na TV ao vivo e a cores; aconselhou  “se um político quiser comprar o seu voto, pode receber e vote em outro”. Assista o  vídeo dos conselhos do padre sobre o voto consciente.

Então é bom que na hora de realizar o delito da compra do voto ( pelo menos aqui em Teresina) o político pergunte se o eleitor que está sendo corrompido é cristão e é da paróquia do Padre Tony, caso contrário corre o risco pegar um grande calote.

Coluna do dia – A renovação no Legislativo

30/09/2014 - 11:31

saiba-como-votar-no-simulador-de-votacao-na-urna-eletronica548x382_2621aicitono_18tadn7vi1j3u1o6891drlq154gc

A aposta do blog ( vamos evitar os nomes para não prejudicar, nem ajudar ninguém) é de que haverá uma grande renovação nas casas legislativas para o quadriênio de 2015- 2019.

Pelo menos 1/3 da Assembleia Legislativa, ou seja, 10 novos parlamentares. Mas, também não significa dizer estes 10 novos eleitos são necessariamente uma “novidade” na política piauiense. Dos nomes que o blog acredita que chegarão lá, todos têm algum parentesco com político, já exerceu cargo público ou foi gestor na esfera municipal e estadual.

Na Câmara Federal, a mudança será proporcionalmente maior. A aposta é que a renovação fique na casa dos 40%. Só que, neste caso em particular, já era de se esperar. É que nesta corrida, a mudança já começou com a desistência de dois nomes – Nazareno Fonteles e Jesus Rodrigues – que, sistematicamente, representam 20%.

O que é que “Seu João” tem?

Desde que o senador João Vicente Claudino entrou na política uma grande campanha midiática se formou contra seu pai, o empresário João Claudino Fernandes.

Pura hipocrisia!! Quase todos, se não todos, que o atacam hoje já foram beber na sua fonte em eleições passadas.

E o que é que a baiana tem? O que é que Seu João tem? A resposta é dinheiro.

Crescimento de Dilma e seus efeitos

A presidenta Dilma Rousseff emplaca distância em mais uma pesquisa. CNT (Confederação Nacional de Transportes). Dilma chega a 40,4% das intenções de voto, Marina 25,2% e Aécio com 19,8%. Em relação a última pesquisa CNT Marina perdeu 2,2 pontos e Aécio ganhou 2,2%

Agora, com vantagem que lhe garantiria, hoje, mais quatro anos à frente do Palácio do Planalto. Na pesquisa anterior Dilma tinha 36% , Marina 27,4% e Aécio tinha 17,6%.

Candidatos Piauí

O crescimento da candidata do PT, nestas condições, só reforça o caixa eleitoral dos seus candidatos no Piauí – Wellington Dias e Elmano Férrer.

Mas, isto não é novidade para os marqueteiros e políticos locais de uma maneira geral. Tolice foi acreditar em qualquer movimentação contrária e burrice foi permanecer pregando no deserto e cheio de militantes da causa do Bolsa Família.

Num estado dependente desta fonte de renda como o Piauí, como acreditar que se poderia mudar o cenário favorável à Dilma só no gogó?

Crescimento de Aécio

O crescimento do tucano Aécio Neves nas duas últimas semanas, detectado em pesquisas de intenção de voto, ameaçam seriamente a ida de Marina Silva para o segundo turno das eleições presidenciais.

A aposta dos tucanos se dá no momento em que o PSDB tem maior capilaridade em todo o país do que o PSB. Resta saber se seria suficiente para barrar o movimento espontâneo do eleitorado brasileiro.

E, no Piauí, saber se este reflexo ajudaria, por exemplo, o governador Zé Filho que continua a apostar suas fichas na renovação no plano federal e precisa de alguns pontos para chegar ao segundo turno das eleições.

O exército nas eleições

Em todo o Brasil a segurança no dia das eleições será reforçada. No caso do Piauí a preocupação maior é com a situação nos municípios,por isso haverá reforço de 2.356 policiais, que atuarão não só para evitar violência mas no  auxílio à Polícia Federal no combate a compra de votos. Os policiais sairão de Teresina em 90 ônibus já na quinta-feira rumo a todas as cidades do interior do estado.

O coronel Lindomar Castilho, responsável pelo policiamento no interior será o responsável por comandar as tropas em 215 municípios, já na região da grande Teresina, quem comandará será o coronel Márcio Oliveira. Em Teresina, 277 policiais estarão reforçando a segurança sob comando do coronel Alberto Meneses, comandante do policiamento na capital.

De acordo com a polícia, os trabalhos já começam no sábado, quando os policiais fazem a segurança das urnas nas seções eleitorais. Equipes de diversas coorporações estarão atuando .

Carreata e boato

O blog acredita que até o domingo ainda vai circular muito boato de campanha, mas o que marcou os últimos dias foi dando conta de que o deputado federal Osmar Junior (PCdoB) teria aderido à campanha de Wellington Dias PT). Uma infeliz coincidência em relação ao local de concentração das carreatas de Osmar Júnior e do senador W.Dias deu origem ao boato. O deputado tratou de desmentir e afirma que continua ao lado do governador Zé Filho.

Coluna do dia – Indecisos irão definir a disputa no Piauí

29/09/2014 - 15:30

eleitor-indeciso-elições 2014 blog elisabeth saO Piauí segue no ritmo nacional da campanha. Explico: o blog vem chamando atenção para dois aspectos importantes desta eleição: a grande quantidade de eleitores de indecisos e os adesistas de plantão.  A semana começa com a corrida em busca dos votos dos indecisos que, se no Brasil somam cerca de 20%, no Piauí é em número ainda maior com uma média de 30% segundo a maioria das pesquisas já divulgadas. Para quem não sabe, essa conta chega a quase meio milhão de eleitores sem saber em quem votar.

Nesta mesma rota estão os eleitores infiéis. Traduzindo: aqueles que tendem a mudar seu voto já declarado na última semana da disputa. Estes, em grande parte, são também levados pelas adesões da hora, ou seja, conforme mudam os interesses das lideranças políticas que antes já tinham declarado seu apoio a um ou outro candidato. Neste quesito, a disputa no Piauí ainda está recheada de incertezas, embora os candidatos não revelem nomes e nem admitam as traições.

O tom da disputa nas últimas semanas comprova também que nem mesmo quem está em primeiro lugar nas pesquisas se sente seguro. Quem conhece os bastidores, sabe que numa eleição com um percentual tão alto de indecisos tudo pode acontecer e os próximos dias serão decisivos e podem mudar um quadro que vem desenhado há mais de um ano, neste caso falamos aqui principalmente em relação a disputa majoritária, Governo e Senado.  E no caso da eleição para o Governo do Estado, quando se fala em definição na última semana é que, com essa grande quantidade de indecisos, a fatura pode sim ser liquidada no primeiro turno ou facilmente ir para o segundo turno.

Sul do Estado

Depois de concentrar esforço em agendas de campanha na região norte do Estado, o governador Zé Filho (PMDB) seguiu para o sul do Piauí neste final de semana para São João do Piauí, Simplício Mendes, Campo Alegre do Fidalgo, São Francisco de Assis do Piauí. A estratégia de concentrar esforços na região norte do Piauí, onde é mais conhecido e onde estão os maiores colégios eleitorais parece estar sendo revista nesta reta final de campanha.

elmano ferrer capacete segurança do trabalhoA pessoa e o personagem

O caso do ex-prefeito Elmano Férrer (PTB) e seu apelido carinhoso “´véin trabalhador” caminha rumo a se tornar uma dos cases de marketing político baseado no marketing espontâneo mais bem sucedidos da política do Piauí. Ocorre que depois de ganhar o apelido da população de Teresina foi com esse mote que Elmano também entrou no interior do Estado e não se distingue mais a pessoa do personagem, o candidato ao Senado, inclusive adotou o capacete de segurança do trabalho para todas as suas os encontros no interior.

Previsões

A julgar pela avaliação da coligação “A vitória com a força do Povo” , encabeçada pelo senador Wellington Dias (PT) não só a apreensão dos R$ 180 mil  no carro do seu motorista, como também a tragédia da barragem de Algodões não farão estragos no seu desempenho eleitoral. É que Wellington Dias espera ter votação expressiva na cidade de Cocal. Vale lembrar que a tragédia de Algodões deixou um saldo de nove vítimas fatais quase 300 famílias afetadas com prejuízos materiais, somente em Cocal. A tragédia foi ainda um dos temas mais recorrentes na campanha de desconstrução da candidatura de Wellington Dias.

Explicações

Por outro lado, o senador Wellington Dias (PT) disse hoje (29), em entrevista ao portal G1 Piauí que não acha que houve demora nas explicações dadas por José Martinho, seu motorista, que foi interceptado pela Polícia Rodoviária transportando R$180 mil. Segundo Wellington Dias José Martinho disse desde o primeiro momento que o dinheiro era dele e que precisava de tempo para comprovar a origem do dinheiro.  Wellington questionou quem irá pagar depois de tudo comprovado o dano que foi feito a sua imagem. “Isso tudo foi utilizado e utilizado de má fé”, afirmou Wellington Dias.

José Martinho continua

Wellington Dias disse ainda que José Martinho não vai perder seu emprego e vai continuar como seu motorista. O senador aproveitou o momento da entrevista para falar de denúncias sobre licitações do Governo do Estado que foram alvo de ações do Ministério Público Federal e do Tribunal de Contas do Estado. Dias disse que não tem motivos para demitir o motorista e que os fatos ocorreram enquanto ele estava fora do trabalho.

Marina lidera em São Paulo, mas perde pra Dilma em Pernambuco

29/09/2014 - 10:43

números datafolha nos estados  elisabeth sa

De acordo com a última pesquisa Data Folha, dos sete estados com maior colégio eleitoral e que juntos somam 60% dos votos, em dois deles a diferença entre a presidenta Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB) é inferior a cinco pontos percentuais, são eles: Rio de Janeiro e Pernambuco. No primeiro Dilma tem 36% e Marina  36% e no segundo a diferença é de dois pontos, 42% para Dilma e a 40% para Marina.

Em São Paulo, a situação é difícil não só para Dilma, mas para o Partido dos Trabalhadores como um todo. No maior colégio eleitoral do país a, Marina lidera com 34% contra 27% de Dilma. O PT deve tentar recuperar esta diferença em outros estados, especialmente na região Nordeste. Na média Nacional, Dilma segue com 40%, Marina com 27% e Aécio com 18%.

Mesmo a frente no estado de Eduardo Campos, a diferença entre as duas candidatas está dentro da margem de erro da pesquisa, que é de 3 pontos para mais ou para menos. Chegam frustradas nesta redá final da campanha as expectativas do PSB de que em Pernambuco o nome de Marina tomasse grande fôlego por conta da herança política de Eduardo Campos.

 PT do Piauí segue na contramão do resto do Brasil

26/09/2014 - 17:08

O Piauí tende a fazer movimento inverso ao de outros estados na reformulação do quadro de forças partidárias. Na maioria dos estados onde o Partido dos Trabalhadores  tenta reeleição, embora carregados por Dilma e Lula, os candidatos não emplacaram e amargam segundo ou terceiro lugar na disputa.

wellington Dias e dilma rousseff blog elisabeth sa

No Piauí, ao contrário do Rio Grande do Sul, São Paulo, Bahia, Paraná, Ceará, Rio de Janeiro, Goiás, o Partido dos Trabalhadores não só lidera a disputa com o nome do senador Wellington Dias , como tende a devolver o comando do Estado ao projeto petista. Ou seja, volta depois de quatro anos fora do Palácio de Karnak para um terceiro mandato.

Wellington Dias deixou o segundo mandato para concorrer ao Senado em 2010, a época o partido não conseguiu viabilizar nenhum nome dentro de seu partido que pudesse substitui-lo e disputar a reeleição, até porque tinha Wilson Martins no meio do caminho.

Então, confirmada a tendência das pesquisas e a vitória no primeiro turno, o Piauí não só devolverá o poder ao PT como fará movimento contrário a maioria dos estados, a exemplo da Bahia, que vem de dois governos petistas tende agora a devolver o poder para o DEM, com a vitória de Paulo Souto.

Aliás, o retorno do PT ao poder no Piauí contrariamente aos outros estados, é o mote atual da propaganda do governador Zé Filho.

Coluna do dia – Elmano virou um personagem

26/09/2014 - 11:23

 

o vein virou um personagem

 

Elmano virou um personagem

A campanha ao Senado ganhou uma visibilidade, nos últimos dias, do que a própria disputa para o Governo do Estado. Talvez porque muitas lideranças acreditem que a fatia para o Governo já esteja liquidada neste primeiro turno e, com isso, a cadeira do Senado seja a bola da vez no quesito disputa acirrada…enfim, porque ninguém acreditava que a substituição de João Vicente Claudino por Elmano Férrer, lá trás, no início da campanha, fosse resultar em nada e Wilson Martins tinha à época a certeza da vitória nestas eleições.

O fato é que a candidatura do veín tem alguns pontos a serem analisados. O primeiro é que ele vem de uma disputa para a prefeitura de Teresina, há dois anos, em que se consagrou como uma grande e popular liderança da capital. Sua popularidade entre os teresinenses, talvez, seja o grande trunfo desta campanha, pois projetou seu nome para o interior por osmose e como numa reação em cadeia.

O segundo é que Elmano virou um personagem.  Não se pode falar em mito. Mas, personagem está de bom tamanho. Afinal de contas, sua projeção advém de apelido criado para caracterizar sua administração, de apenas dois anos, à frente do Palácio da Cidade.  Uma administração bem avaliada, frise-se, mas que sozinha seria incapaz de levá-lo ao Senado.

E este personagem criado leva uma grande vantagem porque todo mundo gosta e que ser, pretende ser um velhinho  simpático, cheio de disposição e com pique para enfrentar uma maratona destas só no passinho…dançando, literalmente.

 

O único piauiense

O ex-governador Wilson Martins tem feito uma pregação contra o principal adversário, o ex-prefeito Elmano Férrer. E, além de creditar a candidatura do veín ao Grupo Claudino, tem lembrado aos eleitores que ele (Wilson) é o único candidato ao Senado genuinamente piauiense.

A pregação de Wilson Martins no sentido de convencer o eleitor é de que ele construiu uma trajetória política e não foi apenas um jaboti colocado em cima da árvore.

 

Wellington Dias reforça campanha de Zé Filho

O leitor pode até estranhar o título. Mas, é bem isso mesmo. E o blog explica: chegou a informação de que muitas lideranças bateram à porta do senador Wellington Dias na tentativa de aderir nesta reta final da campanha.

Ao analisar bem o custo de algumas adesões frente à opinião pública, Dias preferiu não o anonimato, o apoio velado, mas, isto sim, ignorar os apelos de quem pretendia voltar para o grupo.

 

Zé Filho recebe os “traidores” ou “indecisos”

Faz bem o senador Wellington Dias pedir para os seus aliados colocarem os pés no chão. A rejeição às adesões de última hora tem feito com que “os rejeitados” apontem todas as suas armas, todos os seus cartuchos para a sua candidatura.

Além disso, a movimentação é intensa entre os coordenadores de Zé Filho para atender estas lideranças e receber  “adesões” de última hora, desta última semana.

 

Momentos finais – tudo ou nada

Certos que a eleição se definirá nestes próximos dias, os articuladores da campanha do governador Zé Filho estão em clima de tudo ou nada.

E, mesmo com todas as pesquisas indicando que a campanha será decidida no primeiro turno, ainda é possível ver clima de otimismo entre os partidários do governador.

Aliás, a maioria é capaz de apostar como Zé Filho estará no segundo turno.

 

Valorização do passe

Ninguém desaprende ou deixa a política. Ela, sim, é que deixa o político. Essa premissa vale para o momento em que se vê alguns redutos tradicionais rompendo com seus líderes. Daí a suspeita de “corpo mole” de um lado e argumentos de que os problemas partem do próprio candidato ao Governo, no caso,  o governador Zé Filho.

Agora, se bem lembrassem, porque sabem disso, algumas lideranças estariam empenhadas em levar a eleição para o segundo turno. Pra valorizar o passe, mesmo!