Coluna de hoje

07/06/2014 - 07:33

image

A dificuldade e a facilidade

Queixosos do tratamento que lhes fora dispensado, nos últimos dois meses, ou melhor, desde que foram alçados ao Governo, os tucanos devem receber um interlocutor por estes dias ou mesmo um chamado do governador Zé Filho. Coisa do tipo: aos amigos tudo e aos inimigos a Lei.

A semana que passou foi considerada o tempo suficiente para que os ânimos se arrefecessem, bem como algumas definições necessárias fossem encaminhadas. Agora, oficialmente candidato à reeleição, a conduta de Zé Filho deve ser outra e bem mais ágil. E mesmo que diga que não tem pressa, que está tudo dentro do esperado, que é tudo normal e previsto, o governador se articula fortemente pelas beiradas.

Também será esclarecido que não havia nenhuma definição em torno do seu nome e o candidato da situação era outro…agora, tudo muda de figura, de lado, de jeito, de tratamento. Ao gosto do freguês.

 

Sem querer, querendo

O governador Zé Filho concedia entrevista, nesta sexta, e dizia que esperava pelo PSDB, por Sílvio Mendes. Dá o tempo para a poeira baixar…

Aí, de pronto revela, que as conversas continuam e tinha tido uma reunião na mesma manhã com Sabino Paulo, pai do candidato Firmino Paulo, que vem a ser cunhado e sobrinho do prefeito de Teresina.

Alguém tem dúvida que a pedra no meio do caminho de Sílvio Mendes tem nome e sobrenome?

 

O prazo de cada um

Como todos têm larga experiência na política, e quando se trata de PMDB a esperteza é elevada ao expoente máximo, é de se esperar que pelo menos uma condição seja colocada à mesa com os tucanos: a de uma decisão rápida, menos sofrida e sem dramas pessoais ou qualquer tipo de vitimização.

Não é interessante, nem inteligente que este lengalenga se arraste e provoque mais desgaste na relação pessoal dos envolvidos, bem como na relação com o maior interessado – o eleitor.

 
Tucanos não entregaram os cargos

Sim, os dois secretários continuam em seus postos, em perfeita e promissora sintonia com o governador Zé Filho. E, como revelado pelo próprio vereador Renato Berger, com o aval de Sílvio Mendes.

Consciente da dificuldade que pode encontrar para fechar uma coligação, o ex-prefeito não fez maiores exigências aos correligionários.

E como não ser? É o que tenho dito: o ninho está carente de Governo há mais de 10 anos.

 

image

As voltas do mundo

O ex-deputado federal Mainha deu um pulo grande. Saltou uma fogueira, mesmo. Depois de caladinho sair do DEM e pegar o Solidariedade, partido recém criado e que preside no Piauí, ele anunciou ontem que votará no PT, em Wellington Dias, despachando o ex-senador Mao Santa com quem vinha percorrendo vários municípios do interior nos últimos meses.

Assim, garantiu um palanque forte e uma legenda viável na disputa por uma vaga na Câmara Federal. No plano nacional, Mainha continua a votar no tucano em Aécio Neves.

 
O real motivo

O melhor a ser feito é não esticarem a corda com o deputado federal Marllos Sampaio para tratar de substituição de candidato no PMDB.

Sem meias palavras, dó, nem piedade, ele dispara : “Faltou o povo na campanha de Marcelo Castro.Só isso”.

 

Descontentes insistem em tirar PP de Dilma

O senador Ciro Nogueira deve encontrar algumas pedras no caminho e antes de consolidar o apoio da sigla no palanque de Dilma Rousseff.

O ex-presidente da sigla, senador Fesncisco Dornelles, levará para a convenção nacional do PP a proposta para que a sigla fique neutra, a exemplo das duas últimas disputas presidência da República.

O senador piauiense e presidente nacional do PP já arranhou o disco: o apoio se dá por coerência.