Aumento de impostos é para evitar colapso das finanças, afirma secretário

11/10/2017 - 13:22

Reunião Fiepi Empresários e Governo

A equipe econômica da Secretaria da Fazenda e representantes dos empresários reuniram-se hoje na sede da Fiepi (Federação das Indústrias do Piauí) para explicar a proposta do Executivo que realinha alíquotas de ICMS de combustíveis, fumo e energia e que tramita na Assembleia Legislativa. Após reivindicação da classe empresarial, o governador Wellington Dias autorizou o secretário Rafael Fonteles a retirar do projeto o reajuste referente a energia. Mas ficaram mantidos os rejustes referentes a gasolina, cigarros, bebidas e no setor de telecomnicações. Não haverá rejuste em óleo diesel.

“Já teve do governo federal um aumento de de 27%, se repensou e vai ser retirada a parte da energia elétrica”, disse o secretário. Segundo o secretário Rafael Fonteles, o ajuste de alíquotas é necessário para combater o déficit previdenciário. “É a saída para corrigir esse rombo previdenciário, que é exponencial, que era de 400 milhões em 2014 e já está em 1 bilhão em 2017. Quando eu falo em rombo previdenciário é o valor da folha dos benefícios subtraído das contribuições dos servidores e do Estado. O servidor contribui com 13 ou 14%, o Estado contribui com 26 ou 28% e ainda falta esse valor que é chamado déficit ou insuficiência. Isso era de 400 milhões de reais em 2014 e está em 1 bilhão em 2017″, explica.

Segundo ele, a proposta é para evitar o colapso nas finanças do Estado. Por conta disso, Fonteles explica que a medida precisa ser implementada. “Temos que lançar mão desse artifício ruim, porém necessário para evitar o colapso das finanças”, afirmou.